Dieta anti-envelhecimento

Os alimentos que ingerimos levam-nos a dois caminhos: acelerar ou retardar o envelhecimento. Saber escolher os alimentos nas quantidades certas é o fator chave na dieta anti-envelhecimento.

O envelhecimento é um processo natural do qual ninguém pode fugir, mas sobre o qual podemos atuar com algo tão simples como é a alimentação.

Um dos grandes benefícios da dieta da Zona é combater o envelhecimento. Uma dieta saudável e equilibrada rica em nutrientes e baixa em calorias, aliado ao exercício físico é a nossa melhor estratégia para lutar contra o envelhecimento. E isso vai-se refletir não só na nossa saúde e bem-estar, mas também na nossa aparência física.

Dieta que combate o envelhecimentoA Zona é uma dieta anti-envelhecimento

O Dr. Barry Sears desenhou esta dieta como um programa nutricional para alcançar o equilíbrio hormonal que tantos benefícios traz à saúde, e não como uma dieta limitada a um período curto de tempo com o único objetivo de emagrecer. A ideia generalizada de dieta está quase sempre ligada a estados de fome e privações durante um curto prazo, para logo retomar os velhos hábitos dietéticos.

Não obstante, a dieta da Zona foi concebida para ser, um programa anti-envelhecimento para toda a vida. Enquanto nos mantivermos na Zona conseguiremos alcançar o máximo rendimento físico e intelectual. Na Zona alimentar-se não é só proporcionar alimentos ao corpo, o alimento é muito mais que isso, é visto como um poderoso “medicamento” para atingir o equilíbrio hormonal que nos conduzirá a um ótimo estado de saúde. A perda de gordura não é mais que um agradável beneficio adicional.

Está comprovado cientificamente que a restrição calórica é a única maneira de inverter o processo de envelhecimento. Ao reduzir a nossa ingestão calórica perderemos peso, melhoramos a nossa saúde, adquirimos melhor aparência, em definitiva aumentamos a longevidade. O primeiro resultado que se obtém ao seguir a dieta da Zona é a melhora do estado da nossa pele, isto deve-se ao aumento do fluxo sanguíneo, que permite uma melhor aportação de nutrientes à pele, fundamental para a nova síntese de proteínas estruturais. O resultado é uma pele bonita e revitalizada e um cabelo forte e vigoroso.

Na dieta da Zona a ingestão dos alimentos é feita nas quantidades certas e devidamente combinadas com a finalidade de manter estáveis os níveis de açúcar no sangue, para assim impedir o rápido aumento do nível da insulina, o qual contribui ao envelhecimento e ao aparecimento de doenças crónicas tais como a obesidade, a depressão, o stresse, a ansiedade, a diabetes, doenças do coração, cancro, doença de Alzheimer.

Estes são os alimentos que devem fazer parte da dieta anti-envelhecimento:

  • Proteínas baixas em gordura: peixe, carnes brancas tais como frango, peru, vitela, claras de ovo, excluem-se as gemas pelo seu teor em colesterol e ácido araquidónico.
  • Lácteos magros: leite, iogurtes, queijo, requeijão…
  • Gordura monoinsaturada: azeite, frutas oleaginosas, abacate.
  • Gorduras essenciais ómega 3 de cadeia longa, poderosos promotores de saúde e bem-estar para todo o corpo, especialmente para o cérebro.
  • Hidratos de carbono de baixo índice glicémico: fruta, legumes e vegetais, fornecem glicose (açúcar) para a ótima função do cérebro e pela sua riqueza em vitaminas, antioxidantes que combatem os radicais livres.
  • Restringir a ingestão dos hidratos de carbono refinados e complexos, porque o seu consumo contínuo desequilibra os níveis hormonais e acelera o envelhecimento.
  • Reduzir o consumo dos ómega 6, porque favorecem os eicosanóides pro-inflamatórios, hormonas que aceleram o envelhecimento.
  • Ingerir muita água, para manter o corpo hidratado e facilitar a eliminação de toxinas e resíduos.

A dieta anti-envelhecimento reduz os quatro pilares do envelhecimento:

  • Os níveis de insulina
  • Os radicais livres
  • Os níveis de cortisol
  • A formação dos AGEs

Ao reduzir a ingestão de calorias, especialmente dos alimentos fornecedores de hidratos de carbono, automaticamente reduz-se os níveis de insulina. Em segundo lugar ao reduzir a ingestão de calorias diminuirá a formação de radicais livres, substâncias agressivas que atacam o ADN das células. Em terceiro lugar a redução das calorias diminui a produção de cortisol, a hormona do stresse, como consequência indireta de baixar os níveis de insulina. Finalmente, a redução da ingestão de hidratos de carbono desfavoráveis (amidos e açucares) diminuirá os AGEs. Os AGEs são produtos daninhos que se aderem aos capilares que alimentam os olhos, ao colágeno da pele provocando as rugas e flacidez, aos rins, aos ossos, ao cérebro, originando problemas cardíacos antecipados e a doença de Alzheimer.

Mais cereais mais doenças

Os nossos genes não mudaram significativamente nada nos últimos cem mil anos. Durante este grande período de tempo evolutivo, os hidratos de carbono de alta densidade, como os amidos e farináceos (cereais e açúcares) não formavam parte da dieta da humanidade. Os cereais só apareceram na vida das pessoas, há dez mil anos com o início da agricultura. Até então a dieta dos caçadores-recolectores estava composta de carne de caça, peixe, ovos, frutos, bagas, sementes. Era a conhecida dieta do Paleolitico. Com o aparecimento da agricultura, os cereais entraram massificadamente na dieta da humanidade, com eles começaram também os problemas de sobrepeso, obesidade, diabetes e um grande número de doenças crónicas.

A Zona é uma versão moderna da dieta dos nossos antepassados. Todos os seus propósitos levam a um caminho: viver mais e melhor. Por isso é considerada uma dieta anti-envelhecimento. Quem a adota, desenvolve um estilo de vida saudável, que idealmente, deve manter-se ao longo de toda a vida.

Faça o seu comentário