O que é a inflamação silenciosa?

O que é a inflamação silenciosa?A inflamação está na origem de quase todas as doenças crónicas. A chamada inflamação clássica é, normalmente sentida por meio da dor. Contudo, há um tipo de inflamação que não é dolorosa, conhecida como a inflamação silenciosa.

É perigosa porque doí, mas não se sente. Só se manifesta ao cabo dos anos em forma de uma doença crónica. Quando isto acontece, é porque vinha atuando em silêncio, agredindo as nossas células, corroendo o nosso bem-estar.

Inflamação silenciosa – o que é?

Segundo o Dr. Barry Sears, toda a dor é devido, em ultima instância, à inflamação. Mesmo, os mais sortudos que não sofrem nenhuma patologia crónica acompanhado dores, não é motivo para pensarem que se encontram em perfeita saúde, pois pode ser que, sem notarem, já estejam sendo afetados pela inflamação silenciosa. Isto porque o corpo pode já estar a sofrer sem dar sinais, enquanto os perigos desta ameaça começam a invadir o cérebro, o coração e todos os órgãos do corpo. É a inflamação silenciosa atacando as nossas células.

O desenvolvimento das doenças crónicas, associadas ao envelhecimento, entre elas a doença cardíaca, a diabetes, o cancro, a artrite, a doença de Alzheimer e até mesmo a obesidade, não acontecem de um dia para outro. São consequência da inflamação silenciosa que vão agredindo o corpo, durante anos e anos, sem dar sintomas.

Como aparece a inflamação silenciosa

De acordo com o Dr. Barry Sears, no nosso corpo produz-se três mudanças hormonais que conduzem à inflamação silenciosa. Todas estão associadas com a excessiva produção de estas 3 hormonas: eicosanoides, insulina, cortisol. O excesso de cada uma destas hormonas leva à inflamação silenciosa. Vejamos qual o impacto de cada uma delas no nosso corpo:

-Desequilíbrio dos eicosanoides

Há dois tipos de eicosanoides: os que promovem a inflamação, e portanto a destruição dos tecidos, são eles os pro-inflamatórios (eicosanoides maus) e os eicosanoides anti-inflamatórios (eicosanoides bons), que têm a capacidade de parar a inflamação e promover a curação do corpo. Embora ambos sejam necessários, o desequilíbrio entre ambos originam a inflamação silenciosa.

Para entender como a dieta pode modificá-los, é conveniente conhecer a sua origem. Os eicosanoides derivam dos ácidos gordos ómega 6. Estes ácidos, quando ingeridos transformam-se em outros ácidos gordos chamados DGLA e AA. Os eicosanoides bons procedem do DGLA e os maus do AA . Se no corpo há um excesso de AA, faz aumentar a inflamação silenciosa e, o corpo adoece e envelhece prematuramente. Por outra parte, se há um aumento do DGLA, produz-se um rejuvenescimento celular, que retrasa o envelhecimento.

O equilíbrio entre o DGLA e o AA depende do equilíbrio entre os ácidos gordos ómega 6 e os ácidos gordos omega 3, que são ingeridos através da alimentação. Embora todos os eicosanoides, quer sejam bons ou maus, derivem dos ómega 6, a função dos ácidos gordos ómega 3, é impedir que se produzam muitos eicosanoides “maus” a partir dos ácidos gordos ómega 6 e, ao mesmo tempo, fomentar a formação dos eicosanoides bons.

Aqui radica toda a importância que a dieta da Zona atribui aos ácidos gordos ómega 3, pois estes vão impedir que a partir dos ómega 6 se produzam muitos eicosanoides maus e, ao mesmo tempo, estimular a formação dos eicosanoides bons.

-A relação entre o excesso de insulina e a inflamação silenciosa

Reduzir os níveis de insulina é outro passo a seguir na luta contra a inflamação silenciosa. O excesso de insulina promove não só a gordura corporal, o que leva ao aumento de peso, mas também aumenta os eicosanoides pro-inflamatórios. Isto porque a insulina estimula a produção de AA, o que leva o corpo a produzir muitos eicosanoides “maus”.

Ambos sistemas hormonais – eicosanoides e insulina – estão intimamente ligados, ambos reduzem a inflamação silenciosa quando estão equilibrados. A dieta da Zona foi desenhada especificamente para reduzir a produção excessiva de insulina e consequentemente também a redução da inflamação silenciosa. Por isso, aqui radica todo o seu fundamento cientifico, uma dieta para perder peso e, simultaneamente, ganhar saúde.

 -O excesso de cortisol

Quando o corpo encontra-se num estado de inflamação silenciosa constante e permanente, responderá gerando doses altas de cortisol. Normalmente esta hormona, quando é segregada num momento de stress transitório tem a função de baixar os eicosanoides pro-inflamatórios, porém demasiado cortisol, tem o efeito contrário, enfraquece o sistema imunitário, leva à destruição das células nervosas e, a uma maior resistência à insulina. O excesso de cortisol é prejudicial, ataca os tecidos corporais, causando lesões nas células. O cortisol, quando segregado em doses justas, cumpre funções importantes no nosso corpo, mas o excesso, tem o efeito oposto, ataca o próprio organismo.

Como saber se já tem inflamação silenciosa

Para saber se já tem inflamação celular silenciosa, de forma fiável é através de uma análise de sangue especifica (não as habituais de rotina). Normalmente são pedidas a laboratórios onde se medirá a relação AA/EPA, desta maneira saberemos qual a relação dos ácidos gordos (ómega 6/ómega 3) que circulam no nosso sangue.

A relação de AA/EPA no sangue é o parámetro mais fiável da inflamação silenciosa. Quanto mais alto é o AA em relação ao EPA maior é também o nível de inflamação silenciosa sentida pelo corpo, aproximando-o à doença e afastando-o do bem-estar.

Para ficar com uma leve ideia de se, o seu organismo já foi atacado pela inflamação silenciosa, pode responder ao teste para saber se já tem inflamação celular, desenvolvido pelo Dr. Barry Sears. Se responder sim a mais de 3 perguntas, o seu corpo já está a sofrer os efeitos negativos da inflamação celular.

A inflamação silenciosa e alimentação

Durante a maior parte da existência do Homem sobre a Terra, os seres humanos seguiram dietas anti-inflamatórias, adaptadas aos seus genes. Até há 10.000 anos, a dieta era rica em frutas e verduras, proteína magra e ácidos gordos ómega 3 de cadeia longa (proveniente principalmente do peixe), ao mesmo tempo que era pobre em ácidos gordos ómega 6 e pobre em hidratos de carbono.

Esta era a dieta do Paleolítico, não continha cereais e amidos. Era a dieta dos caçadores recolectores. Com a revolução agrícola e a introdução dos cereais a alimentação tornou-se inflamatória.

Estilo de vida saudável

Felizmente todas estas hormonas, eicosanoides, insulina e cortisol podem voltar a equilibrar-se com o estilo de vida saudável que promove a dieta da Zona. Esta é a grande vantagem desta dieta: manter estas hormonas dentro de níveis ideais, nem muito altos nem muito baixos, de modo a combater a inflamação silenciosa e a evitar o desenvolvimento das doenças crónicas. Sendo assim, estas são as medidas que conduzem a um estilo de vida anti-inflamatório:

  • Ingestão diária de EPA e DHA, os ácidos gordos de cadeia longa que se encontram no óleo de peixe. O Dr. Barry Sears recomenda uma dose de um concentrado de EPA e DHA altamente refinado livre de contaminantes (mercúrio, dioxinas e PCBs), a dose recomendada depende da Razão AA/EPA. No entanto, a dose de manutenção recomendada é de 2,5 g
  • Reduzir a carga glicémica da dieta, ou seja restringir os hidratos de carbono de alto índice glicémico (pão, massa, arroz, bolachas, cereais refinados, farinhas, batata, doces, mel, bolos, açucares, bebidas alcoólicas, sumos, refrigerantes…) para não subir os níveis de insulina no sangue
  • Evitar as gorduras saturadas, trans e o excesso dos óleos vegetais (encontrados no óleo de girassol, milho, soja, amendoim… por serem ricos em ácidos gordos ómega-6, que estimulam a inflamação).
  • Incluir na dieta alimentos anti-inflamatórios como o azeite de oliva extra virgem, óleo de sésamo, cúrcuma
  • Praticar exercício regular para manter os níveis de insulina sempre baixos
  • Reduzir o cortisol com técnicas de relaxamento como a meditação
  • Praticar um estilo de vida saudável sem tabaco e bebidas alcoólicas

A dieta da Zona foi desenhada especificamente para reduzir a produção excessiva de insulina e consequentemente a redução da inflamação silenciosa. Além de ajudar a perder o excesso de gordura corporal, promove a prevenção das doenças e uma maior longevidade. Enfim, o caminho ideal para o bem estar.

Artigos Relacionados

Faça o seu comentário