Zona versus Dieta Mediterrânica

É do conhecimento de todos que a dieta Mediterrânica é um padrão alimentar que favorece a nossa saúde e que evita as doenças. Muitos estudos demonstraram que quem segue esta dieta tem menor risco de morte por doenças cardiovasculares e de vir a desenvolver alguns tipos de cancro.

É por este motiDieta da Zona versus Dieta Mediterrânicavo que os povos do Sul de Europa, nomeadamente dos países do mediterrânico como Itália, Grécia, Espanha e Portugal sempre estiveram mais protegidos das doenças cardiovasculares e de certos tipos de cancro do que as populações do Norte.

Contudo, nos últimos anos as influências externas, levaram a que a Dieta Mediterrânea esteja cada vez mais a ser substituída pela dieta Americana, cheia de alimentos refinados e calóricos.

Nesta sequência de dietas saudáveis, a dieta da Zona pode ser considerada como a evolução da dieta Mediterrânea. Ambas dietas são ricas em abundantes legumes e fruta. Ambas dietas incluem um consumo não excessivo de proteína magra como o frango, o peixe e produtos lácteos como o queijo, leite e iogurtes. Ambas insistem em que a gordura provenha das fontes monoinsaturadas como o azeite, tão característico da dieta mediterrânea e a gordura por excelência da dieta da Zona.

Ambas dietas são baixas em gorduras poliinsaturadas ómega 6, que se encontram nos óleos vegetais comuns, e gorduras saturadas. Porém são ricas em gorduras poliinsaturadas ómega 3, a gordura saudável encontrada no peixe de águas frias. Ambas incluem também pequenas quantidades de frutos secos.

Até aqui a Zona e a dieta Mediterrânica parecem iguais, mas vejamos as diferenças?

Diferenças entre a dieta da Zona e a dieta Mediterrânea

Na dieta da Zona há a redução dos cereais e seus derivados e outros amidos (pão, arroz, massa, farinhas e batatas) que será compensado comendo mais frutas e verduras mediterrânicas. Isto não significa que não se possa comê-los, mas sim, que sejam consumidos em pequenas quantidades.

Esta pequena diferença entre as duas dietas, aparentemente sem importância, tem, no entanto, grandes consequências hormonais. Ao reduzir os hidratos de carbono provenientes dos cereais, reduz-se também a carga glicémica da dieta, fazendo com que os níveis de insulina não subam. Ao não subir a insulina, o corpo não armazena gordura. Devemos recordar, que esta hormona impede o emagrecimento, e além disso, está também envolvida na diabetes tipo 2 e nas doenças cardiovasculares.

Esta é a razão pela qual o Dr. Barry Sears considera a Dieta da Zona a evolução da Dieta Mediterrânea, dado que, uma dieta com a reputação de saudável, como é conhecida a dieta Mediterrânea, será transformada numa dieta hormonal, como é conhecida a dieta da Zona, que não só leva à perda de peso, mas ainda mais importante, combate as doenças crónicas e aumenta a longevidade.

Artigos Relacionados

Faça o seu comentário